RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA ESEC DO RASO DA CATARINA

voltar

o que é

Foto: Marizilda Cruppe/FUNBIO

Instituição responsável: AGENDHA – Assessoria e Gestão em Estudos da Natureza, Desenvolvimento Humano e Agroecologia

 

Serão recuperados 55 hectares de áreas degradadas da Estação Ecológica (ESESC) Raso do Catarina, com prioridade para a Mata da Pororoca. Será implantado um viveiro para 100.000 mudas de plantas nativas na ESEC Raso da Catarina e da Agrobiodiversidade de PCTAFs – Povos e Comunidades Tradicionais, Extrativistas e da Agricultura Familiar, do entorno da Unidade de Conservação.

Para o alcance do objetivo serão utilizadas as seguintes práticas para a Recuperação das Áreas Degradadas:

  1. Recuperação e Manejo Sustentável e Integrado do Solo, da Água, da Matéria Orgânica e da Fertilidade, com a Implantação e Manutenção de Curvas de Nível e mobilização de biomassas do próprio ecossistema;
  2. Semeio, plantio e manejo de Plantas da Biodiversidade e da Agrobiodiversidade em “Cordões de Contornos” nos Agroecossistemas familiares e/ou coletivos;
  3. Construção de Barramentos Sucessivos de Pedras Encaixadas em Arcos Romanos Deitados;
  4. Implantação de Plantas Adubadeiras e de Cobertura dos Solos (da Biodiversidade);
  5. Plantio e manejo de Plantas Atrativas de Animais Silvestres (da Biodiversidade);
  6. Sementes da Terra (da Agrobiodiversidade de PCTAFs), resgatadas, multiplicadas, conservadas “in situ” e disseminadas.

Situação

Em Andamento

Bioma

Caatinga

mapa de atuação

Expandir o mapa