Saúde silvestre e inclusão digital

voltar

O que é

Instituição responsável: FIOCRUZ

Mudanças climáticas e desmatamento estão entre as transformações ambientais que podem alterar a distribuição de espécies e, também, a incidência de doenças como febre amarela, leishmaniose e malária.
A iniciativa, que conta com a participação da comunidade local, objetiva agregar o componente “saúde” a dois territórios com subprojetos do PROBIO II (Desenvolvimento sustentável do Sul da Bahia e Economia da Floresta–Resex Tapajós-Arapiuns), pela utilização do Sistema de Informação em Saúde Silvestre, o SISS-Geo (http://sissgeo.lncc.br/), pensado pela Fiocruz para o monitoramento de zoonoses emergentes nas áreas de fronteira entre ambientes naturais e antropizados. Entre as principais atividades estão:

– Identificar nos territórios as ameaças e a percepção de risco das comunidades com a relação da saúde silvestre e a humana
– Qualificar multiplicadores para a compreensão da relação da biodiversidade com a saúde humana, e uso do SISS-Geo, de modo a – em situação controlada e a partir da experiência local – aperfeiçoá-lo para o monitoramento de animais silvestres e potenciais riscos de emergências de zoonoses
– Elaborar material de boas práticas em saúde, qualidade de vida e conservação da biodiversidade.

Situação

Em Andamento

Ano início

2014

Bioma

Amazônia, Mata Atlântica

mapa de atuação

Local onde acontece o Saúde silvestre e inclusão digital

Expandir o mapa